PAULO BRIGHENTI

(Almada, 1968). Vive e trabalha em Lisboa, tendo em anos recentes, iniciado a sua prática num atelier no campo.

 

Artista português importante da sua geração e de grande reconhecimento, tem vindo a afirmar-se primeiramente como pintor e cada vez mais como artista multidisciplinar exemplar da cena artística portuguesa. Com um percurso de sucesso a nível nacional e internacional, Paulo Brighenti expõe desde a década de 1990.

Conhecido pela riqueza complexa, profunda e criativa da sua obra, a obra do artista tem vindo a estender o meio da pintura para outros, como a escultura e o vídeo, criando obras e exposições que envolvem e confrontam o espetador, questionando ao mesmo tempo as tradições pictóricas e sua validade nos tempos de hoje.

 

O artista tem apresentado a sua obra em museus de renome, como a Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Carmona e Costa, MAAT, MEIAC e Nassjö Konstall Suécia, bem como em galerias e centros expositivos de Lisboa, Porto, Luxemburgo, Paris e Nova Iorque. Brighenti é ainda representado pelas galerias Galeria Belo-Galsterer, Lisboa e Galeria Pedro Oliveira, Porto.

 

Em 2002 ganhou o Prémio Revelação Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, Lisboa, e em 2021, o Prémio Projeto Artístico Destacado Millenium bcp.

O artista encontra-se ainda representado nas seguintes colecções institucionais: Fundação Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva, Lisboa; Banco de España, Madrid; CAM / Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; CGAC, Santiago de Compostela, ES; Coleção António Cachola / MACE (Museu Arte Contemporânea Elvas), Elvas; Fundação Carmona e Costa, Lisboa; Fundação Ilídio Pinho, Porto; MAAT, Lisboa; MNAC - Museu do Chiado, Lisboa; Fundação PLMJ, Lisboa; Coleção Tobias Rhis, Zurique; Museu de Serralves, Porto; entre outras.